Notícias do Mundo Motorizado

Peugeot 208 R2 voltam a rugir em pisos de asfalto

Depois do longo interregno de verão, a PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2019 regressa à estrada no Rali Terras d’Aboboreira, a 4ª prova da presente temporada e última realizada em solo português.

Presentes nesta jornada que se desenrolará no triângulo Amarante/Baião/Marco de Canaveses, nos próximos dias 6 e 7 de setembro, estarão quase todos os candidatos aos títulos de 2019, numa lista presentemente liderada por Daniel Berdomás entre os Pilotos, pelo seu navegador David Rivero na tabela de Navegadores, enquanto a Inside ocupa a 1ª posição provisória entre as equipas inscritas na copa.

Este próximo encontro decidir-se-á nos 104,3 km das 10 classificativas de asfalto que compõem a prova (370,94 km de percurso total), palcos onde 14 ‘Leões’ irão evoluir, tentando impor os competitivos e robustos 208 R2 que servem de base à PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA, iniciativa conjunta da Peugeot Portugal e Peugeot Espanha.

Marco de Canaveses como centro nevrálgico, Baião como palco do troço espetáculo, o Rio Tâmega, em Amarante, paredes meias com uma especial, e a Serra do Marão a definir o resultado final, após 3 outros troços desenhados nesta triangulação. Resume-se, assim, em traços largos, o Rali Terras d’Aboboreira, a 4ª prova da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2019.

As 14 equipas inscritas, aos comandos dos seus Peugeot 208 R2, terão pela frente 2 Etapas, compondo-se, no seu conjunto, por 1 Super Especial e 5 classificativas, 4 delas percorridas por duas vezes. Serão 104,3 km contra o cronómetro, num rali que tem um percurso total de pouco mais de 370 km.

“À semelhança do que sucedeu na primeira edição, no ano passado, o equilíbrio continua a ser uma das notas dominantes da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA”, refere José Pedro Fontes, da Sports & You, entidade a quem cabe colocar no terreno esta iniciativa conjunta da Peugeot Portugal e Peugeot Espanha. “Tal é visível quer pela relativa proximidade das pontuações à data, quer pelas lutas diretas que se têm travado nos diferentes troços dos três ralis já disputados, algo que também se deve, em muito, à quase idêntica e excelente preparação dos Peugeot 208 R2 que servem de base a esta competição ibérica”.

“Contando com a presença de muitos dos candidatos aos títulos de 2019, este Rali Terras d’Aboboreira promete novas e intensas batalhas nos troços de asfalto desenhados na região do Tâmega e Sousa, deixando-se, mais tarde, para as classificativas em Espanha as decisões finais da segunda temporada desta inédita copa de ralis”, acrescentou. “Neste lote infelizmente não consta o Daniel Nunes, piloto que ainda está a recuperar do acidente de viação que sofreu no início da Agosto. Em meu nome, em nome da organização e de todos os envolvidos na PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA reforço o desejo de francas melhoras, para que rapidamente possamos voltar a contar com ele e com a sua garra nos ralis nacionais.”

QUEM DESTRONA A IMPARÁVEL DUPLA BERDOMÁS/RIVERO?

Daniel Berdomás e David Rivero em acção na super especial de Lousada durante o Rali de Portugal

Voltando a haver um equilíbrio entre duplas portuguesas (7) e espanholas (6), estando inscrita uma equipa não ibérica nesta 4ª prova da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2019, Daniel Berdomás e David Rivero apresentam-se decididos a manter a atual liderança e acrescentar o Rali Terras d’Abororeira ao seu pecúlio de 2 vitórias já registadas em 2019 (Sierra Morena e Rali de Portugal).

Entre os Pilotos, e somando, à entrada para esta prova, 65,93 pontos, Daniel Berdomás tem 18,55 pontos de vantagem sobre o seu compatriota Josep Bassas e 21,84 sobre o aqui ausente Daniel Nunes, aquele que é, à data o melhor representante luso. Seguem-se, a cerca de 15 pontos, Pedro Antunes, José María Reyes (que também não virá a esta prova) e Ruiari Bell, num grupo separado por pouco mais de 3 pontos. Já Carlos Fernandes aproveitará as ausências de Sergi Francoli, Georg Linnamae e Alberto Monarri (pilotos que atualmente fecham o top-10) para se afastar dos seus adversários.

Estão classificados mais 15 pilotos, estando, entre outros, Ricardo Sousa, Hugo Lopes e José Luís Pelaez à cabeça dos restantes para uma eventual subida no escalonamento.

Nos Navegadores, a vantagem do espanhol David Rivero para o português Paulo Lopes é bem mais dilatada, sendo de 36,31 pontos. Dos presentes nesta 4ª prova do ano, o britânico Darren Garrod e o espanhol Manuel Muñoz são quem mais poderá subir na classificação, aproveitando as ausências de Rui Raimundo, Diego Sanjuan, María Salvo, Volodymir Korsia, Valter Cardoso e de Axel Coronado, o atual 10º classificado. Estão classificados mais 17 nomes neste grupo. Numa lista muito dinâmica e cada vez mais diversificada, destaca-se a estreia na prova, nesta edição da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA, de 4 novos co-pilotos: os portugueses Bruno Abreu, Paulo Marques e João Vieira, mais o espanhol Candido Carrera.

Entre as Equipas, a Inside mantém-se líder da copa, somando 67 pontos, mas sem grande margem de manobra, já que a TRS Rally Team está somente a 3 pontos de distância. A GC Motorsport é 3ª, com 52 pontos. Estão, neste momento, classificadas 11 equipas.

Recorde-se que uma vitória vale 25 pontos, um 2º lugar 20 e um 3º 17, havendo ainda que contar com as restantes pontuações distribuídas pelo top-10 e o extra de 5 pontos a dividir pelas duplas que registarem os melhores tempos nos 10 troços do rali.