Notícias do Mundo Motorizado

Mecânica impede Henrique Chaves de vencer

Henrique Chaves protagonizou ao longo de todo evento dos 1000Km de Paul Ricard uma prestação impressionante, mas um problema técnico impediu-o de vencer a segunda etapa do GT World Challenge Europe Endurance Cup.

Depois do trabalho de afinação do McLaren 720S GT3 ao longo dos treinos-livres, o trio da Garage 59 encarou a qualificação com optimismo, uma vez que o carro inglês estava muito eficaz ao longo do circuito francês.

Henrique Chaves, Alexander West e Miguel Ramos aproveitaram o potencial do material que tinham à sua disposição e conquistaram a pole-position da classe Pro-Am. O jovem de Torres Vedras foi ainda mais além e numa performance que evidencia o seu enorme valor, assinou o quarto melhor tempo da geral na sua qualificação, entre cinquenta e dois carros, batendo a maior parte dos pilotos de fábrica.

Depois da brilhante prestação na sessão que definiu a grelha de partida, os homens do McLaren 188 estavam apostados em concretizar a pole-position numa vitória que demonstrasse o seu ascendente sobre os seus adversários.

Miguel Ramos foi o primeiro a entrar em acção, sendo seguido por Alexander West, repetindo-se este escalonamento até que Henrique Chaves assumisse o controlo do carro inglês para realizar os dois últimos “stints” da prova de seis horas.

Quando o jovem português se sentou aos comandos do GT da Garage 59 este estava na segunda posição da classe Pro-Am e no trigésimo lugar da geral. Henrique Chaves imprimiu então um ritmo fortíssimo, ao nível dos pilotos que ocupavam os dez primeiros lugares, e rapidamente ascendeu ao vigésimo quarto lugar entre os cinquenta e dois carros em pista, o que significava liderar a sua classe.

Uma vitória parecia estar segura, mas nas corridas nada é garantido e nas últimas voltas um problema de suspensão obrigou o jovem português a reduzir substancialmente o andamento, o que deixou o triunfo do trio do McLaren #188 em dúvida.

Na última volta, Henrique Chaves teve mesmo de levantar o pé, perdeu vinte e sete segundo, e acabou por cruzar a linha de meta num bom segundo posto, mas que não deixa de provocar algum amargo de boca, dado a vitória ter estado tão perto.

“Foi um pouco frustrante, uma vez que rodámos em primeiro a maior parte da corrida e o primeiro triunfo do ano estava no nosso horizonte. Porém, desde o início que tínhamos um problema no apoio da suspensão dianteira / esquerda, que estava solto. A roda mexia-se muito para além daquilo que era suposto e as curvas para a direita eram muito complicadas de negociar. Este problema agravou-se bastante nos momentos finais da prova e obrigou-me a levantar muito o pé, tendo a última volta sido dramática. Penso que, se houvesse mais uma volta teríamos de abandonar. Foi pena, porque dominámos a corrida e a vitória estava perfeitamente ao nosso alcance”, sublinhou Henrique Chaves.

Apesar da contrariedade que bateu à porta da equipa do McLaren número 188, o jovem português apontou diversos aspectos positivos que marcaram o fim-de-semana de Paul Ricard. “Tínhamos ritmo e velocidade, como ficou bem evidente ao longo de todo o evento. É claro que queríamos vencer, mas o segundo lugar não deixa de ser um bom resultado. Conquistámos a pole-position, o que nos dá mais um ponto para as contas do campeonato. Penso que todos estivemos muito bem, o Alex, o Miguel, a equipa esteve irrepreensível nas paragens nas boxes, foi um daqueles azares que por vezes acontecem. O que interessa agora é olhar para a frente, ficámos em terceiro na primeira corrida, agora fomos segundos e a próxima prova são as 24 Horas de Spa – seria o palco ideal para conquistarmos a primeira vitória da temporada”, concluiu Henrique Chaves.

A próxima prova do GT World Challenge são as míticas 24 Horas de Spa-Francorchamps, que se disputam entre os dias 28 e 31 de Julho. Porém, já na próxima semana Henrique Chaves disputa as clássicas 24 Horas de Le Mans.